ERP: veja como calcular os custos de não ter um software eficiente!
23276
post-template-default,single,single-post,postid-23276,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-5.7,vc_responsive
 
Blog

Aprenda a calcular os custos de não contar com um ERP em sua empresa

Quanto custa não ter um ERP

Praticamente todo empreendedor conhece o valor operacional e estratégico de um ERP. Porém, o que a maioria desconhece por completo são os custos de não contar com um software moderno e eficiente, mesmo em plena era de transformação digital.

Utilizando muitas vezes ferramentas e soluções não integradas, isoladas entre os departamentos e escassas de recursos relevantes, o negócio se priva de uma visão gerencial ampla, que é o que fomenta a tomada de decisão assertiva e resultados garantidos, não é verdade?

Portanto, o nosso foco hoje será mostrar como você pode calcular os custos de não possuir a solução gerencial certa. Se você acha caro investir em um software é porque não sabe o quanto está gastando por não ter a tecnologia a seu favor. Acompanhe!

4 gargalos consideráveis da ausência do ERP na empresa

Claro, calcular com exatidão o montante desperdiçado em seu negócio seria algo inviável. Para isso precisaríamos conhecer cada um de seus processos e realizar uma análise completa, mas é tangível após essas etapas.

Contudo, decidimos mostrar alguns exemplos de situações que denotam como a falta do software de gestão empresarial pode ser avassaladora para sua organização. Vamos começar pela falta de integração que ocasiona lentidão e engessamento do operacional.

1. Comece pelo prejuízo causado pela atuação independente das ferramentas atuais

Para que uma empresa prospere de verdade no mercado, é inegável que seus processos precisam contar com uma sintonia fina.

É preciso que departamentos, setores, colaboradores e gestores, tenham o mesmo direcionamento a partir das mesmas informações.

De nada adianta você investir em um conjunto de softwares, ferramentas e soluções que não ofereçam integração ou automatização e achar que a digitalização faz parte da sua empresa.

A digitalização real acontece no momento em que seu conjunto de sistemas conversam com os processos.

No momento em que o RH consegue tomar uma decisão sem interferir no trabalho do Departamento Pessoal, ou quando o setor fiscal tem a certeza de que a conformidade é algo tangível e que suas informações são verídicas.

Por isso que o ERP é tão importante, pois viabiliza módulos individuais para cada setor, mas de forma integrada, automatizada e inteligente.

Isso gera não somente redução de custos (ao eliminar a necessidade de investir em mais de uma ferramenta), mas fomenta processos mais sólidos e transparentes.

Além do mais, reduz o descontrole gerencial e a ausência de um panorama efetivo da empresa, dois elementos que ocasionam altos custos.

2. Processos manuais nem deveriam existir mais

Não que a sua gestão realize todas as tarefas no papel e caneta ainda, não é isso. Mas a verdade é que quando uma ferramenta não se comunica com a outra, em algum ponto do operacional será preciso fazer a ponte entre os processos.

Por exemplo, você pega a sua gestão patrimonial que opera sobre a lente de um sistema legado e baseado em planilhas ultrapassadas.

Do outro lado seu departamento contábil e fiscal atua com uma ferramenta mais moderna, mas que não interage com aquele sistema patrimonial.

Te perguntamos, como suprirá as demandas contábeis quando tiver que fazer o balanço patrimonial do negócio? Será algo simples e direto? Ou terá que fazer a “ligação” manual entre um procedimento e outro, visto que não há integração?

Portanto, as chances de algo dar errado são grandes. E isso pode minar a saúde financeira da empresa. Então, quanto já gastou somente esse ano em processos como esse? A crise certamente dificultou bastante a vida dos gestores, correto?

Todavia, o software de gestão integrada é capaz de solucionar esse problema, pois faz automaticamente o cruzamento das informações necessárias, sem perda de tempo ou recursos.

3. Sem margem para analisar seus dados

Outro fator determinante para gerar altos custos na gestão empresarial, é a falta de capacidade analítica.

Olhar com precisão para as informações e dados é peça-chave na tomada de decisão, a fim de maximizar a aplicação dos recursos e resultados estratégicos, mas inviável na ausência do ERP Cloud.

Mais uma vez, não há como traduzir isso em números, mas é possível imaginar que o negócio fique para trás da concorrência.

Dessa forma, eventualmente você precisará de um sistema que domine a análise de informações, que forneça um direcionamento avançado de como agir, principalmente em tempos de pandemia.

Leia também: Ciência de dados: conceito e tendências para as empresas

4. Quem fala que é trocar seis por meia dúzia está enganado

É comum escutarmos no mercado que o processo de substituição dos sistemas atuais por um ERP é perda de tempo e dinheiro, pois exige reestruturação e adequação a novas diretrizes operacionais.

Tirando as afirmações de que é perda de tempo e dinheiro, duas suposições equivocadas e infundadas, é óbvio que haverá reestruturação.

Você deve encarar isso de forma positiva, pois integrará tudo de maneira centralizada, mas com a vantagem de atuar de forma descentralizada, com alta acessibilidade e mobilidade, elementos indispensáveis nos dias de hoje.

E sim, o investimento em um ERP costuma ser de médio a longo prazo, mas os resultados são imediatos, uma vez que há mais organização e automatização das ações.

E se você, ao invés de calcular os custos de não ter um ERP, você fosse capaz de calcular sua margem de crescimento? Ou de planejar qual objetivo bater primeiro? Pois esse é o cenário real com o software certo.

Quer saber como colocar isso em prática? Entre em contato com a SISPRO, somos experts em transformar empresas com tecnologia de ponta!

Tags: