Gestão fiscal: como controlar os riscos fiscais em 5 passos
23226
post-template-default,single,single-post,postid-23226,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-5.7,vc_responsive
 
Blog

Gestão fiscal: como controlar os riscos fiscais em 5 passos

Como controlar os riscos na gestão fiscal

Ser empreendedor no Brasil é assumir uma grande aventura cheia de burocracia, impostos, obrigações e riscos fiscais, por isso separamos 5 passos para reduzir os gargalos em sua gestão fiscal.

O que já era conturbado se tornou ainda mais complexo com a chegada da pandemia. A crise gerou inúmeras mudanças como a prorrogação de tributações como Simples Nacional, PIS, COFINS, INSS, entre outras, obrigando os gestores a terem mais cautela e atenção com o Fisco.

Conhecendo a importância de manter uma boa administração fiscal, a SISPRO criou este post para auxiliá-lo neste momento de incerteza. Confira!

5 passos para reduzir os riscos em sua gestão fiscal

1. Tudo começa com um robusto planejamento tributário e fiscal

Nós sabemos que nem todo o planejamento do mundo poderia prevenir os impactos da crise. Mas se com ele os prejuízos foram incalculáveis, imagine não contar com um como seria mais negativo, não é verdade?

Por isso, mesmo que já tenha um plano ativo ou esteja na fase de estruturação, é crucial revisá-lo a partir dos impactos que sua empresa sofreu.

Além disso, você precisa considerar as prorrogações aplicadas pelo governo, a fim de que nenhuma tributação fique para trás ou que pague algo que não que seja obrigatório no momento, estimulando assim o financeiro da empresa.

Afinal, improvisar impossibilita sua gestão de prever os resultados e isso sim gera gargalos e riscos fiscais.

Leia também: Sabia que o ERP na nuvem facilita a gestão fiscal da sua empresa?

2. Monitore cada mudança e sua vigência nessa época de pandemia

Embora seja uma medida que visa aliviar o bolso do empresário e assegurar o maior número de empregos, as prorrogações podem ocasionar um grave problema. Por exemplo, se você não se baseia em um calendário fiscal eficiente e atualizado, fica difícil acompanhar as mudanças.

As obrigações tributárias, fiscais e acessórias podem pegá-lo desprevenido, gerando até mesmo multas.

Sendo assim, fique atento às mudanças, aplique novas diretrizes. Busque amparo em relatórios concisos através de sistemas fiscais confiáveis e discipline sua equipe, já que são eles os responsáveis pela conformidade.

3. Riscos fiscais estão associados também aos benefícios não aproveitados

Quando falamos em riscos fiscais podemos incluir o desperdício fiscal, que é quando a empresa não aproveita os benefícios da sua categoria.

Nesse sentido, você pode quitar obrigações que nem mesmo são mandatórias ao seu perfil de atuação e atividade.

Se a sua gestão fiscal desconhece as obrigações ela acaba por não tomar as melhores e mais vantajosas decisões no âmbito fiscal e tributário. Isso tem um impacto fulminante no aproveitamento dos incentivos fiscais.

Esse é um risco fiscal que você precisa eliminar de imediato, em especial por estarmos inseridos em uma realidade de incertezas. Se você não se preparar agora como é possível estar apto ao pós-crise?

Leia também: Conheça todas as vantagens de um ERP para a conformidade fiscal

4. Procure padronizar seus processos fiscais para melhor monitoramento

Se você quer se ver livre de erros, a melhor saída é padronizar os procedimentos fiscais da sua empresa.

O intuito desse processo é consolidar sua atividade fiscal com mais segurança, principalmente aos profissionais responsáveis que se alinham aos objetivos e necessidades do negócio.

Como resultado, os gestores monitoram todo o processo de perto, identificam facilmente as falhas, retificam gargalos de imediato e diminuem expressivamente os riscos.

Não que isso deixe sua gestão fiscal blindada a erros, mas é uma maneira de suprir qualquer problema com muito mais eficiência e rigor.

Achamos que você pode se interessar: 5 motivos para automatizar sua gestão fiscal

5. Integralize as etapas anteriores a um software de gestão fiscal eficiente

Todos os passos anteriores podem ser implementados sem um software fiscal. Porém, seu planejamento não será tão coeso, monitorar as mudanças é mais complexo e nebuloso, se torna inviável aproveitar as vantagens fiscais e padronizar seus processos será um sonho distante.

Portanto, se você realmente busca como objetivo primário controlar os riscos fiscais, eliminar brechas, cortar desperdícios, otimizar o setor e crescer a partir de um planejamento fortalecido, então, você precisa muito de um software de gestão fiscal.

A solução fiscal é capaz de gerenciar de maneira unificada todas as informações da sua organização. Além disso, realiza a prestação de contas ao governo de forma segura e confiável, promovendo total conformidade às normas.

Reduza drasticamente as falhas com um controle aperfeiçoado dos módulos do SPED (Sistema Público de Escrituração Digital) e das obrigações acessórias. Elimine a divergência de registros e minimize os custos da conformidade fiscal.

Quer entrar de vez no mundo da digitalização empresarial? Entre em contato com a equipe SISPRO, pois temos as soluções e os profissionais mais capacitados para te ajudar, esperamos você e até breve!