O que é gestão fiscal e tributária e erros que você deve evitar
21542
post-template-default,single,single-post,postid-21542,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-5.7,vc_responsive,elementor-default,elementor-kit-23911
 
Blog

O que é gestão fiscal e tributária e os principais erros que você deve evitar

gestao-fiscal-e-tributaria

Os erros na gestão fiscal e tributária tiram o sono de muito empreendedor, mas existem bons motivos para isso. Pequenos deslizes, seja no cálculo ou no pagamento dos impostos devidos, podem provocar uma grande dor de cabeça a longo prazo, gerando dívidas preocupantes.

E esse problema se torna ainda maior quando imaginamos que a empresa pode ser punida pela Receita Federal em um prazo de até 5 anos após o erro cometido. Ou seja, se você não sofreu com multas do Fisco até agora, não significa que não sofrerá com ele nos próximos anos por causa de deslizes passados.

A chave para lidar com esses desafios ainda é investindo em uma gestão fiscal e tributária eficiente. Porém, existem também maneiras de evitar erros fiscais e tributários e aumentar a eficácia da gestão do seu negócio. Quer descobrir como? Confira nos próximos tópicos!

O que é gestão fiscal?

A gestão fiscal é, na verdade, um conjunto de ações consideradas preventivas e que tem a finalidade de garantir a conformação das empresas, perante a legislação tributária. Todas as atividades ligadas ao pagamento de impostos e ações fiscais acessórias, são funções da gestão fiscal.

Porém, essas obrigações das quais a gestão fiscal preciso gerir são divididas em 2 (dois) grupos:

1 – Obrigações principais: Referem-se ao pagamento de todos os tipos de tributos, sejam eles federais ou estaduais, atuando também como mandatórias para as organizações. Sendo assim, todos os tributos precisam ser pagos para que o negócio opere na legalidade. 

2 – Obrigações acessórias: Esse tipo de obrigação é necessário para controlar, de forma mais transparente, todas as transações financeiras de uma organização, em conjunto com a emissão de documentos fiscais, registros e declarações para a Receita Federal. 

A partir desses dois tipos de obrigações, a organização pode criar sua gestão financeira, com foco na redução da carga tributária e no impacto dessa carga nos resultados do negócio. E, para fazer isso, existem modelos de tributação que podem impactar profundamente o seu negócio, são eles: Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional. 

Se você atua como gestor em alguma organização, fique atento a cada um dos modelos e faça a melhor escolha entre eles!

E o que é gestão tributária?

A gestão tributária faz parte do trabalho diário do setor de administração de todas as organizações. As obrigações tributárias impactam os negócios desde a fabricação dos produtos ou serviços até à venda. Mapear todos os impostos que recaem sobre as empresas é uma função indispensável para conseguir fazer os cálculos de custo e de resultado. 

Além das obrigações tributárias impostas pelo Governo Federal, a gestão tributária deve ser uma oportunidade de otimizar a estratégia das organizações em relação aos compromissos fiscais. Todas essas oportunidades estratégicas estão contempladas na legislação tributária do Brasil, mas muitas ainda são desconhecidas pelos empresários. 

Abaixo elencamos três exemplos de isenções e benefícios tributários que uma estratégia tributária alinhada pode oferecer:

1 – Isenção PIS e COFINS na exportação de Serviços: Esses dois tributos federais (PIS e COFINS) possuem benefício fiscal para a prestação de serviços para organizações do exterior. Algumas empresas que se enquadram na modalidade Simples Nacional também podem garantir esse benefício. 

2 – Não incidência do ISS na exportação de Serviços: Os serviços exportados e que tem resultados no exterior, também garantem o não-pagamento do Imposto Sobre Serviços (ISS). 

3 – Isenção ICMS na exportação de mercadorias: A exportação e venda de mercadorias para países do exterior garantem isenção no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

Qual a importância das gestões fiscal e tributária nas organizações?

Além de proporcionar informações e dados mais precisos sobre as empresas, estes dois tipos de gestão também auxiliam na hora de recolher corretamente os tributos, garantindo que as empresas estejam regulares perante os órgãos responsáveis e, também, contribuindo para que a receita das empresas aumente. 

As organizações enfrentam diversos problemas financeiros e a gestão fiscal e tributária pode ser uma parte da solução desses problemas e com o caminho mais curto do que outras modalidades.

Quando se trata sobre tributos, principalmente no Brasil, se torna indispensável dar destaque ao impacto gerado pela carga tributária e o que essa carga costuma trazer para as empresas.

Ainda existe um fato importante, que é a legislação tributária brasileira. A legislação tributária é um assunto de grande complexidade e isso dificulta o entendimento de novos empreendedores. 

Todas estas questões fazem com que as dificuldades relacionadas aos assuntos fiscais e tributários das empresas se tornem ainda maiores. Às vezes a causa desses erros é a pura falta de informação e, assim, a empresa acaba tendo gastos desnecessários com isso.

Pagar mais impostos do que o necessário também é algo que pode levar as empresas à falência, portanto, falar sobre gestão fiscal e tributária e trabalhar para evitar futuros prejuízos.   

Como fazer corretamente a gestão fiscal e tributária da sua empresa?

Essa não é uma tarefa fácil de se desenvolver e, muito menos, simples. O gerenciamento fiscal e tributário demanda passos bem pensados, porém alguns desses passos são comuns para todas as empresas.

Para começar é preciso fazer uma análise dos tributos que sua empresa paga atualmente. Esta análise precisa ser criteriosa e deve ser feita sobre o contexto atual da empresa, pois só é possível dar os primeiros passos estratégicos sabendo da situação real da empresa.

A partir daí tudo deve ser levado em consideração, desde a região onde a empresa atua até se ela possui sede em algum outro Estado. Nesse primeiro passo precisa-se colocar todos os detalhes em um papel e verificar o que vale mais a pena.

Os próximos passos são dedicados à atualização de informações e valores da empresa. Todos os dados da empresa precisam estar devidamente atualizados, em relação aos tributos, pois eles mudam diariamente, mensalmente e anualmente.

Realizar os cálculos levando em consideração dados que podem estar desatualizados, pode causar um grande prejuízo para as empresas. Por isso, é importante encontrar fontes atualizadas e confiáveis de informações ou até mesmo outras estratégias que possam garantir o uso de dados atuais, como o uso de uma solução empresarial de gestão fiscal. 

Porém, mais simples do que explicar como fazer a gestão fiscal e tributária de forma correta, é mostrar quais os erros mais praticados pelas organizações. Seguem alguns deles elencados abaixo. 

Saiba quais são os 5 maiores erros na gestão fiscal e tributária 

Mesmo pequenos erros de cálculo já podem gerar multas onerosas para a empresa, e isso é preocupante. No entanto, mais do que isso, existem muitos outros erros simples que podem ser evitados pela empresa caso ela dedique mais atenção a essas questões, como você verá logo abaixo. 

1 – Errar na classificação fiscal 

É possível que a sua empresa esteja pagando mais impostos do que deveria, simplesmente porque errou na hora de fazer a classificação fiscal dos produtos. Da mesma forma, é possível que esteja pagando muito menos e esteja devendo ao Fisco, o que é tão preocupante quanto, já que as multas sob esse erro podem custar bem caro para o orçamento da empresa.

A única maneira de garantir que a sua empresa está pagando o valor correto de impostos, é fazendo uma classificação fiscal correta de cada produto comercializado.

2 – Irregularidades no pagamento de impostos 

Deixar de pagar os impostos no prazo certo é um perigo maior do que se imagina, e pode deixar a empresa com pendências na Receita Federal. O risco disso é que, além das multas e juros que incidem no valor do imposto não pago, é possível que a empresa sofra sanções ou desvantagens na hora de tentar empréstimos ou investimentos. 

3 – Usar normas tributárias desatualizadas 

Um erro que parece simples, mas que pode afetar a empresa, é o uso de normas tributárias desatualizadas para fazer o cálculo de impostos. Essa prática é mais comum do que parece e tem um grande risco, já que a empresa pagará mais ou até menos do que deveria.

As normas e regras tributárias mudam o tempo todo, e isso influencia diretamente no valor dos impostos. É crucial que a empresa conte com uma ferramenta que garanta que ele está fazendo o cálculo dos impostos usando dados tributários atualizados. 

4 – Não encontrar os incentivos fiscais do apropriados para a organização

Nada é mais importante no âmbito da gestão fiscal e tributária de uma organização do que se atualizar quanto aos tributos. Esses dados mudam a todo tempo e fazer um cálculo levando em consideração dados que não estejam atualizados é um erro comum dentro das organizações, independente do porte de cada uma. Por isso, buscar fontes confiáveis é uma parte importante de todo o trabalho e para a gestão fiscal. 

5 – Ausência de tecnologia dentro do setor

Os sistemas de gestão fiscal são muito importantes quando se trata da otimização de tempo e a ausência de equívocos nos cálculos relacionados aos impostos.

As soluções tecnológicas garantem o uso de dados corretos no momento oportuno para fazer o planejamento tributário e, mesmo assim, algumas empresas ainda não são adeptas da tecnologia como aliada do setor.

A tecnologia ainda possui papéis importantes nas etapas de planejamento, evitando assim erros humanos e tornando os processos mais práticos e objetivos para o setor de contabilidade. 

Como evitar erros e aumentar a eficiência da gestão tributária da empresa? 

Se você quer evitar esse e outros erros graves na gestão tributária da empresa, não se preocupe. Existem alguns pontos que podem ajudar na gestão, tornando-a mais eficiente e evitando que os erros passem despercebidos. Confira!

Faça auditorias periódicas 

O primeiro passo e um dos mais importantes, é investir em uma rotina periódica de auditoria. A auditoria verifica todas as etapas da gestão, identificando erros e falhas processuais que possam provocar problemas graves.

Identificar os erros, sobretudo antes que eles provoquem rombos maiores no caixa da empresa, é um dos papéis essenciais da auditoria. Além disso, ela também é responsável por propor ações corretivas, que reduzem significativamente os erros fiscais e permitem que a empresa reaja antes que o erro se concretize.

A constância da auditoria vai depender de cada empresa, mas o ideal é que elas sejam realizadas de forma constante o suficiente para evitar qualquer risco.

Tenha um bom planejamento tributário 

planejamento tributário é uma ferramenta crucial para garantir uma gestão fiscal eficiente. É no planejamento tributário que a empresa traça um plano delimitado de como agir para conseguir reduzir ao máximo, de forma legal, o valor do imposto pago, ao ponto que define estratégias para garantir que todas as etapas da gestão tributária corram bem

Use softwares de gestão

Um bom software de gestão fiscal é a ferramenta ideal para empresas que querem reduzir custos e aumentar a eficiência de todo o setor financeiro. Através de sistemas como o SISPROTAX, a empresa automatiza processos e evita erros de cálculo, reduzindo drasticamente o risco de perder dinheiro na hora de pagar impostos. 

Além disso, mudanças nas normas tributárias são atualizadas automaticamente no sistema, dando mais segurança e autonomia para toda a equipe. O sistema também pode ser fundamental na hora de outras etapas do planejamento tributário, inclusive no momento de auditoria e geração de relatórios.

E esse é só o começo. Quer descobrir tudo o que a solução SISPRO Gestão Fiscal e Tributária pode fazer pelo seu negócio? Fale agora com um de nossos especialistas e entenda como a tecnologia pode ajudar o seu negócio a lucrar muito mais!