Transportadoras temem gastos com equipe especializada para atender o SPED - SISPRO
5688
post-template-default,single,single-post,postid-5688,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-6.9.0,vc_responsive,elementor-default,elementor-kit-23911
 
Blog

Transportadoras temem gastos com equipe especializada para atender o SPED

Preocupação é manter uma equipe especializada para gerir as informações e os arquivos digitais que são enviados ao Fisco, afirma a Sispro.

Não são apenas as péssimas condições das estradas brasileiras que afligem as pequenas empresas de transportes de cargas no Brasil. Soma-se a isto – que afeta diretamente o custos dos fretes – um outro item relevante na gestão de seus negócios: o atendimento das obrigações fiscais, agora com grande destaque ao SPED, envolvendo o EFD PIS/Confis entre outras demandas.

A equipe de consultores da Sispro apurou, em conversas com empresas do setor, que uma das principais dificuldades das transportadoras para adoção do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) é manter uma equipe especializada para gerir as informações e os arquivos digitais que são enviados ao Fisco. A implementação da ferramenta, embora facilite e agilize o gerenciamento de atividades tributárias, é bastante onerosa às empresas.

A Sispro conversou com o presidente da Associação Brasileira de Transporte Logística e Carga (ABTC), Newton Gibson, e apurou que o segmento está apreensivo com as questões relacionadas ao tratamento das informações e à contratação de software e serviços para atender ao SPED. Para o presidente da ABTC, a alternativa será capacitar os funcionários e/ou contratar pessoal especializado na ferramenta.

“Acreditamos que o SPED facilitará e agilizará as atividades tributárias nas empresas de transportes de cargas”. No entanto, apesar de concordar que todo o sistema digital de informação é positivo, ele ressalta que os altos custos para implementar o recurso é um fato negativo no processo. “Para sua implementação há necessidade de investimentos financeiros que chegam a milhares de reais. Com uma carga tributária elevada e grandes problemas de logística no País, inviabiliza-se a possibilidade de tais investimentos e dificulta-se a adoção adequada ao SPED nas transportadoras”, conclui.

Para Lourival Vieira, diretor de Marketing da Sispro, as empresas devem levar em conta que o Sistema Público de Escrituração Digital também trará outros benefícios para as empresas que hoje enxergam os investimentos em tecnologia e serviço para o atendimento das novas obrigações fiscais como despesa simples e pura. “Nota-se que as empresas estão se organizando e melhorando seus processos internos e a maioria nem precisa destacar grande parte de seu orçamento para a contratação de serviços e sistemas para isso. Alternativas como o Sispro SPED Remoto podem aliviar e ainda dar às transportadoras  todo o apoio profissional necessário para a geração dos arquivos para todas as obrigações, como à EFD-PIS/Cofins entre outras”, afirma o executivo.

Vieira explica que o novo serviço da Sispro funciona na modalidade ASP (Application Service Provider) e permite que os dados para a geração das obrigações possam ser digitados ou importados segundo regras de composição dos arquivos e contempla a disponibilização dos sistemas contratados; manutenção de cópia de segurança das bases de dados; manutenção de cópia de segurança dos arquivos gerados e entregues; acompanhamento de consultoria, se contratada, para auxiliar na geração das obrigações; auxílio à empresa no cumprimento do prazo das obrigações. Opcionalmente, as empresas poderão contratar os serviços de consultoria e Outsourcing da Sispro, que incluem a preparação, validação e envio das informações contábeis para o Fisco, segundo a legislação.

Entre as obrigações abrangidas pelo Sispro SPED Remoto estão: Escrituração Contábil Digital (ECD), Escrituração Fiscal Digital do ICMS/IPI (EFD-ICMS/IPI), Escrituração Fiscal Digital das Contribuições PIS/Cofins (EFD-PIS/Cofins), Controle Fiscal Contábil de Transição (FCONT), entre outras exigências.

Fonte: Sispro Serviços e Tecnologia para Administração e Finanças – 28/09/2011