Repasse de valores? - SISPRO
5438
post-template-default,single,single-post,postid-5438,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-6.9.0,vc_responsive,elementor-default,elementor-kit-23911
 
Blog

Repasse de valores?

Altas taxas por uso das “maquininhas” faz com que varejistas encaminhem valor à clientes

Para fornecer mais opções de pagamento aos clientes, os varejistas muitas vezes adquirem as famosas “maquininhas” para o pagamento em cartão, mas para eles, o custo disso não sai barato. Segundo Luciano Nakabashi, professor de economia da USP-FEARP, o cartão de crédito cobra taxas aos comerciantes muito mais altas que as de débito e isso acaba se refletindo no preço dos produtos. “É claro que existe a questão da segurança e comodidade para o cliente, mas o consumidor precisa entender que o custo desse serviço acaba ocasionando que os produtos, em geral, sejam mais caros do que se o estabelecimento aceitasse somente pagamento em dinheiro. E todos pagam o aumento do produto, quem usa o cartão de crédito e quem não usa”, comenta.
 
Independente disso, Nakabashi acredita que a lei que prevê cobrança mais cara para as operações no cartão de crédito deve impulsionar consumidores a fazer compras à vista, uma vez que o valor dos produtos diminui. “Isso aumenta o poder de escolha do consumidor, e quando isso ocorre é positivo, pois o preço vai refletir o valor real do produto”, afirma.

 

Já para os varejistas, o principal impacto está no aumento de produtos vendidos, segundo o professor. No entanto, com mais dinheiro em caixa, isso pode trazer riscos para a segurança desses comerciantes. “O único problema é que se muitos escolherem pagar em dinheiro vai haver mais dinheiro em caixa, podendo gerar assaltos, mas isso é algo difícil de medir”, comenta. 
 
Fonte: www.portalcreditoecobranca.com.br – 01/09/14