Insumo e o Direito de Crédito na Sistemática não Cumulativa do PIS e da Cofins - SISPRO
5266
post-template-default,single,single-post,postid-5266,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-6.9.0,vc_responsive,elementor-default,elementor-kit-23911
 
Blog

Insumo e o Direito de Crédito na Sistemática não Cumulativa do PIS e da Cofins

O PIS e a Cofins eram tributos simples em sua sistemática cumulativa. Com a utilização de uma sistemática não cumulativa, transformaram-se em contribuições complexas. Isso ocorre, de acordo com o Doutor em Direito e Garantias do Contribuinte pela Universidade de Salamanca e juiz auxiliar da Vice-Presidência do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, Leandro Paulsen, porque a legislação, ao regularizar o PIS/Cofins em sistemática não cumulativa, estabeleceu um rol de despesas que não contempla a totalidade de gastos que as empresas possuem. Dessa maneira, parte das despesas não gera crédito para as instituições. Leandro ressaltou, ainda, em sua palestra, que a matéria vem sendo discutida nas esferas judicial e administrativa, e que existe uma tendência de mudança na legislação, de modo que se possa apurar crédito sobre a totalidade de despesas realizadas perante pessoas jurídicas.

“As empresas pagam as contribuições PIS/Cofins sobre a totalidade da receita, mas só podem apurar créditos sobre uma parcela dessas receitas”, esclarece Leandro Paulsen.

Fonte: Revista CRC-RS Junho/2013

{backbutton}