RH e Gestão de Pessoas: 2021 e a importância de focar no pós-crise
23135
post-template-default,single,single-post,postid-23135,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-6.9.0,vc_responsive,elementor-default,elementor-kit-23911
 
Blog

2021 e a importância de objetivar o futuro pós-crise com foco no RH e Gestão de Pessoas

Qual a importância de focar no RH e gestão de pessoas no pós-crise

Mais uma vez iremos falar da crise, mas dessa vez com foco no futuro pós-crise voltado ao RH e Gestão de Pessoas. Embora ninguém tenha pedido ou mesmo antecipado uma realidade tão adversa, cabe a nós sermos protagonistas da nossa retomada e extrair o máximo possível de aprendizagem.

E se tem uma coisa que a pandemia nos mostrou é como o ser humano ainda é o cerne que movimenta uma empresa, mesmo que ela conte com tecnologia, inteligência artificial e ferramentas, ainda são as pessoas que sustentam o pilar empresarial.

Especialistas acreditam que a cultura organizacional do futuro pós-pandemia terá como foco a gestão próxima do capital humano. Você também pensa dessa forma? Consegue mensurar quanto seus colaboradores foram os responsáveis pela manutenção do negócio nesses últimos meses?

Então, você precisa desse conteúdo para um vislumbre real do que te espera mais a frente. Aperte os cintos e acompanhe a leitura!

RH e gestão de pessoas: não confunda, a tecnologia ainda é crucial

É importante destacar que não descartamos a tecnologia em nenhuma hipótese, pelo contrário.

Para exemplificar podemos colocar da seguinte forma. A tecnologia será para o futuro empresarial da mesmo forma que a língua inglesa é para o profissional do mercado atual, ou seja, algo básico e já esperado dessa realidade.

Logo, as soluções em nuvem, aplicativos com alta mobilidade e acessibilidade, inteligência comercial e um operacional automatizado do início ao fim, serão elementos primários para se manter competitivo no mercado, isso é fato incontestável.

Contudo, somente isso poderá não ser o único caminho para o sucesso. Isso porque o valor do capital humano para uma organização é imensurável hoje, já que o trabalho remoto exige uma proximidade única para o bom funcionamento do negócio.

Nos últimos meses nenhuma empresa sobreviveu sem que seus profissionais mudassem todos os dias uma cultura consolidada há décadas, isto é, a do trabalho em ambiente físico. Em outras palavras, cada colaborador teve que se reajustar, readequar suas habilidades, aptidões e se entregar a um cenário inédito em todos os sentidos.

Claro, tecnologia em nuvem estava lá, ou pelo menos deveria, para aproximar a liderança e profissionais. Mas consegue perceber que não fosse a entrega dos colaboradores, talvez não haveria um fluxo de trabalho? Talvez não haveria garantia de resultados e o negócio poderia ter afundado na crise?

Então, a união de soluções inovadoras à vontade de vencer das pessoas permitiu que a maioria mantivesse portas abertas. É o momento de pesar cada aspecto para encontrar o equilíbrio ideal a sobrepor as barreiras do pós-crise.

E temos que dizer, o RH e gestão de pessoas está no centro de tudo isso!

Leia também: Como preparar seu RH ao pós-pandemia

Olhar para o futuro se relaciona com as tendências para o RH e gestão de pessoas

A pergunta é simples: quem é o responsável por gerenciar de forma eficaz o capital humano? Sem dúvidas, os profissionais de RH arcam com esse compromisso, através de ações planejadas e muito suporte da tecnologia.

Quando falamos do futuro digamos, obscuro, acerca das mudanças residuais da pandemia, ficar de olho nas tendências é vital. Desse modo, separamos 2 tendências que podem se firmar no pós-crise.

Invista no Home Office da sua empresa para o pós-crise

A primeira delas é o famigerado termo do momento, o Home Office. As facilidades e potencial para estimular resultados mostrou que o trabalho remoto é forte candidato a perdurar como ação estratégica.

Tudo em decorrência do custo de manutenção reduzido, progressiva produtividade e menos complexidade com a cloud computing.

Além disso, há alta flexibilidade no trabalho e tomamos como referência os americanos, que colocaram cerca de 67% das empresas em home office, segundo a empresa Society for Human Resource Management (SHRM).

E tem mais, essa prática conseguirá estimular a adequação à transformação digital que foi acelerada pela crise.

A utilização diária de indicativos inéditos de produtividade

A partir da comunicação mais próxima entre colaboradores, gestores e líderes, o RH e a gestão de pessoas deverão observar novas métricas para mensurar a produtividade.

Devido à informalidade do home office, muitas empresas perceberam a necessidade de criar indicativos para acompanhar a produtividade daqueles que trabalham nesse ambiente.

Sendo assim, os próprios profissionais terão peso na fusão entre o trabalho na empresa com a flexibilidade do ambiente remoto. Por isso a medição coletiva poderá se tornar algo corriqueiro, bem como a definição de OKR (objetivos e resultados-chave).

Nesse modelo o colaborador é quem define suas metas diárias e ele mesmo gerencia em conjunto com os gestores. Essa transparência poderá ser controlada à distância, via ferramentas em nuvem, ou seja, poder amplo na gestão de pessoas.

É importante destacar que esse contexto promete acontecer em tempo real, no qual a tomada de decisão é fortalecida e resultados melhorados.

Não deixe para se preocupar depois com o futuro pós-crise, pois é seu posicionamento agora que irá ditar o nível e qualidade da aderência do que está por vir. Precisa de mais conhecimento? Acesse e tenha conteúdos completos para te ajudar!

Você pode se interessar também:

·       Você sabe a diferença entre DP e RH?

·       Folha de pagamento na nuvem: sua empresa precisa se adequar à transformação digital