Existe uma fórmula para gerar impacto no ponto de venda? - SISPRO
4725
post-template-default,single,single-post,postid-4725,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-6.9.0,vc_responsive,elementor-default,elementor-kit-23911
 
Blog

Existe uma fórmula para gerar impacto no ponto de venda?

Existe uma fórmula para gerar impacto no ponto de venda? A pergunta do jornalista e mediador Diego Casagrande abriu a mesa-redonda “Gerando Impacto no PDV”, que integrou o primeiro dia do Congresso Brasileiro do Varejo, durante a 2ª Febravar – Feira Brasileira do Varejo. A mesa-redonda, última atividade do primeiro dia de programação, contou com a participação de Felipe Hemb, da Loja Hemb, de Júlio Takano, presidente da ABIESV – Associação Brasileira da Indústria de Equipamentos e Serviços para o Varejo, e Sônia Paloschi, da Purchase Comunicação e Marketing.

Hemb, em sua fala, apresentou o case da loja Hemb, destacando pontos trabalhados pela empresa para impactar o cliente. Arquitetura, com o objetivo de permanência e estar, sinalização, alinhamento da equipe com os valores da empresa, comunicação, intervenções artísticas, realização de eventos e sonorização estiveram entre os pontos abordados. “Todas as marcas que deixamos no cliente devem ser incríveis”, disse ele, que estruturou o negócio sob a metodologia do design estratégico, da equipe multidisciplinar e do mix de produtos.

Na sequência, Takano destacou ao público o surgimento da nova classe “C”. Em pesquisa realizada com cerca de 1800 consumidores, sendo 10% da classe A2, 30% da B2 e 60% da C1, verificou-se que atendimento, qualidade e responsabilidade social são itens ainda mais valorizados do que o preço por esse público. Neste sentido, destaca-se a importância da criação de experiências entre os consumidores. “O ponto de venda conta com novos valores como beleza, bem-estar, prazer e espiritualidade”, disse ele, durante a apresentação de cases de sucesso, destacando que hoje ocorre, inclusive, inclusão social por meio do varejo.

Para fechar o debate, Sônia Paloschi trouxe ao público a importância dos conceitos de arquitetura e visual merchandising. “Essas duas áreas precisam caminhar juntas por um resultado positivo”, disse ela, destacando a importância de se criar pontos de atração dentro da loja. “Muito além das vitrines, o visual merchandising é uma técnica de venda, que prevê a boa circulação e um bom layout, entre outros pontos”, afirmou.

A programação do Congresso da 2ª Febravar segue nesta terça-feira (16) com duas mesas-redondas – “Shopping Center: o que vem por aí?”, às 14h, e “Novas formas de perceber o varejo”, às 17h. Ao final do dia, às 20h, acontece a palestra internacional com Paco Underhill. Mais informações pelo site www.febravar.com.br.

Fonte: www.febravar.com.br – 16/09/14