Empregabilidade - A idade e a competência a caminho da reconquista do espaço no mercado de trabalho. - SISPRO
7571
post-template-default,single,single-post,postid-7571,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-6.9.0,vc_responsive,elementor-default,elementor-kit-23911
 
Blog

Empregabilidade – A idade e a competência a caminho da reconquista do espaço no mercado de trabalho.

 

Artigo escrito por M.Bernadete Pupo 

O preconceito da idade começa a ceder espaço aos “ quarentões”, que até há muito pouco tempo estavam relegados à espera do sistema previdenciário. Hoje, a tendência do empresariado é a de unir o potencial do jovem com a “experiência dos mais experientes”.

O diferencial está exatamente em contratar profissionais ativos, atualizados e que tenham acesso às informações gerais e específicas de sua área de atuação. Trata-se de buscar competências agregadas pela via do conhecimento específico e pela multifuncionalidade que tornam o profissional apto a uma recolocação no mercado de trabalho. Aliás, um dos conceitos do termo empregabilidade é exatamente o de tornar-se “apto” para manter-se no emprego e ao mesmo tempo “atraente” ao mercado de trabalho.

Forçadas pela concorrência e pela busca constante da competitividade, as empresas estão aos poucos re-adequando suas necessidades. Percebe-se que quando a empresa precisa de talentos com potencial é através de programas de trainees que ela procura jovens. Mas, se o cargo requer disseminação de valores e competência, ela contrata pessoas mais experientes.

Um exemplo vivo dessa afirmativa pode ser encontrado nos classificados de emprego impressos e eletrônicos (internet), onde várias são as propostas de emprego atingindo a faixa etária acima dos 40 anos.

Na verdade, o que se observa é que o estereótipo da discriminação pela idade foi culturalmente instaurado, no entanto, as mudanças tecnológicas que vivemos hoje montam um palco para um ambiente novo onde a competitividade e a quebra de paradigmas é o centro.

De qualquer forma, nossa proposta para as empresas é que essas se apoiem no bom senso e na capacidade de discernir os valores dos profissionais; que suas decisões sejam cada dia mais sábias, obtendo assim resultados relevantes e mais consistentes.

Que os “quarentões” vençam pela competência e lutem pela ação transformadora, ressaltando o talento, a iniciativa pessoal e a visão holística tão apregoada nos dias hoje, deixando de lado o preconceito da idade que só os envelhecerá precocemente! 

Este é o desafio! 

Bernadete é Coordenadora do Depto. de RH do Centro Universitário FIEO.
mbpupo@unifieo.br

Fonte: www.guiarh.com.br