EFD do PIS/Cofins poderá gerar problemas para muitas empresas - SISPRO
4562
post-template-default,single,single-post,postid-4562,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-6.9.0,vc_responsive,elementor-default,elementor-kit-23911
 
Blog

EFD do PIS/Cofins poderá gerar problemas para muitas empresas

A transmissão mensal da Escrituração Fiscal Digital (EFD) do PIS/Confins trará muitos problemas para uma boa parte das empresas incluídas nessa obrigação acessória.
A avaliação é da advogada Juliana Ono, diretora de conteúdo da Fiscosoft, para quem as empresas podem ter problemas com o Fisco caso transmitam informações inexatas.
“Nos casos em que não apuram receitas e créditos de modo preciso, não se podem usar rateios nem proporções, sob pena de a autoridade tributaria cobrar explicações”, argumenta.
A EFD do PIS/Cofins deve ser entregue por um universo estimado em 1,2 milhão de empresas do Lucro Real, Lucro Presumido ou sujeitas a acompanhamento diferenciado.
A advogada chama a atenção para o risco de persistência na cultura do Dacon (Demonstrativo de Apuração de Contribuições Sociais), que deve ser transmitida todos os meses ou a cada semestre.
No caso da EFD do PIS/Cofins, os arquivos devem ser transmitidos até o quinto dia útil do segundo mês subsequente a que se refira a escrituração.
Segundo Juliana, as informações do Dacon não apresentam um grande nível de detalhamento de dados. Na EFD do PIS/Cofins, ao contrário, os detalhes são uma característica.
O risco, portanto, é de as empresas transmitirem o arquivo da EFD do PIS/Cofins com dados inconsistentes e sem os detalhes exigidos pela obrigação acessória exige, o que pode gerar penalidades.

Fonte: TI Inside – 14/7