A saída do DP e a chegada do RH - SISPRO
7569
post-template-default,single,single-post,postid-7569,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-6.9.0,vc_responsive,elementor-default,elementor-kit-23911
 
Blog

A saída do DP e a chegada do RH

 

Artigo escrito por  Flávia Espúrio, Superintendente de RH da Aon Affinity do Brasil

O antigo modelo de gerir pessoas que ficou conhecido, ainda nos anos 80, como Departamento Pessoal, parece ter sido extinto definitivamente. Altamente burocrático, o Departamento Pessoal tinha poderes plenos para recrutar, demitir e estabelecer punições. Durante muito tempo, nossa área foi associada a um obstáculo para os outros departamentos da empresa.

Agora, surge um novo formato de Recursos Humanos que atua como agente de mudanças e prepara a cultura da corporação para agir paralelamente à sua linha de negócios. Para que haja êxito em sua implantação, a empresa inteira deve estar focada nesse objetivo, com uma estrutura de processos que a movimente completamente nessa direção. Isso é o significado do RH moderno: ter a competência de traduzir o papel e a missão da empresa na prática do dia-a-dia.
No Brasil, o RH de muitas empresas ainda atua com processos retrógrados e com profissionais de mentalidade antiga, dificultando o processo de modernização das idéias e da filosofia da corporação. Para mudar este cenário, os setores de Recursos Humanos precisam melhorar sua desenvoltura, fazendo uso de ferramentas mais adequadas e atualizando seus profissionais.

Por outro lado, no aspecto de motivação de pessoal, os profissionais brasileiros desenvolvem um excelente trabalho, equivalente ao que se pratica nos países mais avançados. Nossas empresas se preocupam em gerar uma atmosfera que estimula os colaboradores a se empenharem para atingirem seus objetivos. Além disso, procuramos elaborar projetos que contemplem o equilíbrio entre o trabalho e qualidade de vida, além de oferecer cada vez mais atrativos como programas de capacitação, planejamento de carreira e remuneração agressiva.

Dessa forma, o novo RH ganha agilidade nos processos, pró – atividade e facilidade em identificar de forma rápida os possíveis entraves dentro de cada área da companhia, ações que refletem diretamente nos resultados.
O que se espera do RH contemporâneo é que ele supere o grande desafio imposto ao Departamento Pessoal: conectar a área de Recursos Humanos aos negócios da empresa de maneira que o trabalho em conjunto seja pautado pela harmonia.
Flávia Espúrio, Superintendente de RH da Aon Affinity do Brasil

Fonte: www.porhtal.com.br/