Confiança da indústria cresce 1,8% em outubro - SISPRO
4349
post-template-default,single,single-post,postid-4349,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-6.9.0,vc_responsive,elementor-default,elementor-kit-23911
 
Blog

Confiança da indústria cresce 1,8% em outubro

Após cair por nove meses consecutivos, índice registra a primeira alta em 2014.

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) subiu 1,8% em outubro ante setembro, passando de 81,1 para 82,6 pontos, informou nesta quarta-feira (29.10) a Fundação Getulio Vargas (FGV). Após cair por nove meses consecutivos, o ICI registra a primeira alta em 2014.

 A elevação do ICI na margem se deve unicamente à melhora das avaliações dos empresários sobre o futuro. O Índice de Expectativas (IE) avançou 4,9% para, 85,9 pontos, o maior nível desde maio de 2014. Por outro lado, o Índice da Situação Atual (ISA) manteve a trajetória de queda, ao recuar 1,2%, para 79,3 pontos, nível mais baixo desde março de 2009.

A maior contribuição para a alta do IE veio do item que mede as expectativas dos empresários sobre a situação dos negócios nos seis meses seguintes, que avançou 13,1%. Na passagem de setembro para outubro, a proporção de empresas prevendo melhora da situação dos negócios, aumentou de 25,8% para 27,1%, e das que preveem piora, recuou de 29,9% para 18,6%.

No ISA, a principal influência de baixa foi do quesito que mede o nível de estoques. O indicador recuou 2,1% em relação a setembro. A proporção de empresas que avaliam os estoques como excessivos, subiu de 14,1% para 14,6%. Por outro lado, caiu de 1,4% para 0,1%, a proporção das que consideram os estoques como insuficientes.

A FGV também informou que entre setembro e outubro o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) diminuiu 1,0 ponto porcentual, para 82,0%. Segundo superintendente adjunto para ciclos econômicos da FGV/IBRE, Aloisio Campelo Jr., a diminuição do pessimismo no horizonte de seis meses precisa ser avaliada de maneira cautelosa, dada a intensidade da piora do indicador no terceiro trimestre. “O setor industrial inicia o quarto trimestre de 2014 em ritmo lento e com perspectivas pouco animadoras para os meses seguintes”, ponderou.

Fonte: Isto É Dinheiro via Eletrolar – 30/10/14