Compliance trabalhista: 5 dicas para implementar na sua empresa
21699
post-template-default,single,single-post,postid-21699,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-5.7,vc_responsive,elementor-default,elementor-kit-23911
 
Blog

Compliance trabalhista: 5 dicas para implementar na sua empresa

Como implementar o compliance trabalhista na empresa

Hoje iremos falar sobre compliance trabalhista, que é um tema de extrema importância para empresas que visam total conformidade. O mote empresarial atual é buscar diferentes formas de promover boas práticas.

É justamente isso que significa a conformidade trabalhista, ou seja, é uma ação de empregar programas com o intuito de adequação e maior respeito às leis trabalhistas.

Além disso, visa atender acordos de convenção coletiva, bem como assegurar o cumprimento das regras internas do negócio. Um dos pontos principais para a conformidade também é viabilizar a busca constante pela Ética no âmbito empresarial.

Portanto, se você ainda não sabe como praticar esta ação elaborada, te convidamos a continuar a leitura do conteúdo. Separamos 5 dicas para você estimular o compliance trabalhista em seu negócio. Boa leitura!

Entenda um pouco mais sobre a compliance trabalhista

Embora pareça simples a princípio, é uma ação que depende de vários elementos para funcionar. Isso porque diferente do compliance fiscal, o trabalhista é embasado na adoção de critérios para prevenir, por exemplo, acidentes de trabalho, antes mesmo que venham a acontecer ou se caracterizar como judicial.

Geralmente, colocar um planejamento como esse em prática envolve o departamento jurídico, a direção e o setor de RH. Por isso é algo que deve ser pensado de todos os ângulos, a fim de não permitir brechas que possam prejudicar.

Vale salientar que o compliance trabalhista deve ser norteado por algumas normas instituídas pelo estado. Além disso, caso encontre problemas ao elaborar seu direcionamento, você não só pode como deve se basear na Lei n° 12.846/13 (Lei Anticorrupção). Tal lei determina uma premissa de moralidade administrativa que toda gestão deve se atentar.

Como estimular o compliance trabalhista em 5 dicas assertivas

1 – Primeiro passo é realizar uma análise de riscos

Inicialmente, antes de esboçar seu plano de conformidade, é essencial realizar uma análise de risco. Por sua vez, essa análise consiste na avaliação de potenciais riscos inerentes ao setor de atuação. Aliás, frise bem que essa análise deve ser a mais minuciosa possível, a fim de prever com assertividade as adversidades.

2 – Desenvolva assertivamente o código de conduta da empresa

Qual grande empresa chegou ao topo da cadeia empresarial sem um código de conduta enxuto, não é mesmo? Portanto, logo após finalizar a análise de riscos é o momento de criar o código de conduta condizente com o perfil do seu negócio. Preze por um código que tenha:

1 – Total transparência nas informações;

2 – Regras apresentadas com clareza e objetividade;

3 – A cultura da empresa, bem como seus valores;

4 – Facilidade na apresentação aos colaboradores e gestores.

3 – Alinhe a divulgação das normas com treinamentos

Estes dois passos são imprescindíveis para o sucesso da implementação. Primeiro porque a divulgação trará todos os envolvidos para o planejamento, já os treinamentos são cruciais para que os colaboradores entendam na prática como os processos funcionarão daquele momento em diante. Dessa forma, divulgação eficiente e treinamento completo são ingredientes indispensáveis.

4 – Nunca deixe de acompanhar os resultados das ações

Não há como mensurar a eficiência do plano de compliance sem que os gestores monitorem de perto os resultados. Essa é a melhor maneira de assegurar que o código está sendo devidamente cumprido, o que abre margem para o último passo que os gestores devem aplicar.

5 – Implemente mudanças sempre que possíveis

Os gestores devem saber que o plano de conformidade é passível de mudanças. Isto é, caso seja necessário deve-se aplicar ajustes, para encontrar o equilíbrio ideal.

Portanto, como pôde perceber, estimular a adequação trabalhista na empresa se traduz apenas em ganhos. Na verdade, é uma ação que visa colaborar de forma permanente com a conduta dos colaboradores para que assim o negócio cresça a partir de gargalos reduzidos.

É obrigatório? Não, claro que não, mas cedo ou tarde perceberá que é imprescindível para ampliar a margem de sucesso da sua organização. Sendo assim, não espere o “trem descarrilar” para aplicar mudanças que só têm a contribuir!