PIS e Cofins: a sua empresa está calculando certo?
21369
post-template-default,single,single-post,postid-21369,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-5.7,vc_responsive
 
Blog

PIS e Cofins: a sua empresa está calculando certo?

o que é pis e cofins

O PIS e Cofins são alguns dos impostos mais conhecidos por parte das empresas. No entanto, mesmo que sejam impostos tão comuns, a verdade é que muitos gestores possuem dúvidas sobre o papel desses impostos ou mesmo como calcular cada um deles.

O resultado disso é alarmante, principalmente para empresas que não contam com o auxílio de sistemas de gestão tributária. Errar no cálculo pode fazer a empresa gastar muito mais em impostos do que deveria, ou até mesmo ter problemas com a Receita Federal.

Quer entender o que é o PIS e Cofins e como calcular esses tributos corretamente? Continue lendo!

PIS e Cofins: o que são? 

Muita gente ainda não entende exatamente o que são o PIS e o Cofins, e até mesmo acha que os dois são a mesma coisa. O primeiro passo, então, é entender que ambos são tributos previstos pela Constituição brasileira, mas possuem papéis completamente diferentes.

O PIS (Programa de Integração Social) é recolhido para garantir a integração e proteção social dos trabalhadores do país. Isso significa que o imposto é utilizado pelo governo para fazer o pagamento do seguro-desemprego e abono salarial dos trabalhadores, além de também servir para pagar a participação na receita de órgãos para trabalhadores públicos.

Já o Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social ), possui a função de recolher fundos para atender áreas como a saúde pública e seguridade social. Nisso, inclui-se também o apoio e assistência social, oferecidos pelo governo para os menos favorecidos, e também contribuição para os fundos da Previdência Social.

Ambos são tributos mensais, que devem ser pagos pela empresa de acordo com a alíquota correta dos impostos. E mais: deixar de pagá-los fará a empresa contrair uma dívida crescente, prejudicando todo o funcionamento da empresa. 

Quando é necessário recolher o PIS e o Cofins? 

Não importa o porte da empresa ou enquadramento tributário da mesma, todas que possuem receita mensal precisam pagar mensalmente tanto o PIS quanto o Cofins. Ou seja, se a empresa ou organização recebeu qualquer receita durante o mês, deverá pagar ambos os tributos.

O não pagamento do mesmo pode gerar problemas, tanto a curto quanto a longo prazo. Para evitar isso, é fundamental que o valor do imposto seja pago até o dia 25 do mês seguinte à geração de receita. 

Como fazer o cálculo certo? 

A maior dificuldade em fazer o cálculo do PIS e Cofins está em alguns detalhes. O primeiro deles é que os valores são atualizados com constância pelo Governo Federal, o que dificulta que as empresas utilizem os valores reais de cada imposto.

O segundo, é que existem diferentes tipos de tributação a depender de onde o negócio se enquadra. Por isso, resolvemos separar os valores de cálculo da tributação de acordo com os tipos em que as empresas se enquadram. Confira abaixo.  

PIS e Cofins cumulativo 

No regime cumulativo, as empresas enquadradas apuram o imposto de renda tendo como base o lucro presumido, ou lucro arbitrado. Nestes casos, os valores das alíquotas são:

• PIS: 0,65%; 

• Cofins: 3%.  

PIS e Cofins não-cumulativo 

Neste regime, as empresas enquadradas são aquelas que são tributadas pelo lucro real. Nesses casos, as alíquotas são:

• PIS: 1,65%; 

• Cofins: 7,6%.

Então, descobriu o que é o PIS e Cofins e como calcular os tributos pagos pela sua empresa corretamente? Se você gostou das dicas, aproveite para nos seguir através das redes sociais e ter mais informações sobre Gestão Tributária.