SP cria regime especial possibilitando alteração na sistemática da substituição tributária - SISPRO
4151
post-template-default,single,single-post,postid-4151,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-6.9.0,vc_responsive,elementor-default,elementor-kit-23911
 
Blog

SP cria regime especial possibilitando alteração na sistemática da substituição tributária

As mercadorias têm um ciclo econômico, que geralmente engloba a indústria, o atacadista, o varejista e o consumidor final.
 
A substituição tributária para frente do ICMS é um regime que considera o ciclo econômico da mercadoria. Tem como característica o fato de um contribuinte chamado substituto (geralmente o industrial, importador que estão na ponta inicial do ciclo da mercadoria), responsabilizar-se pelo cálculo e pagamento do ICMS próprio, e também pela retenção e pagamento do ICMS dos demais participantes do ciclo econômico da mercadoria.
 
Vale dizer, o substituto tributário paga, além do ICMS próprio, o imposto relativo às operações de terceiros chamados substituídos (geralmente os comerciantes varejistas ou atacadistas), que se presume irão ocorrer. O substituto não arca com a carga do ICMS dos demais agentes do ciclo da mercadoria, pois ele recebe os valores que antecipou dos substituídos.
 
Esta sistemática é possível, porque se presume de antemão o valor que a mercadoria irá ter durante o ciclo.
 
Ocorre que existem situações em que o regime de substituição tributária é extremamente desfavorável ao substituído (atacadista, varejista), pois o ICMS retido, ou parte dele, não é devido.
 
Estas situações ocorrem, por exemplo, quando a saída subseqüente é amparada por isenção ou não-incidência; ou quando o fato gerador presumido não se realizou (ex. cancelamento da venda), ou no Estado de São Paulo quando há diferença entre o valor que serviu de base à retenção do ICMS/ST e o valor da operação ou prestação realizada com consumidor ou usuário final e, principalmente, quando o substituído revende a mercadoria para comerciantes localizados em outros Estados.
 
Nessas hipóteses resta ao comerciante substituído o pedido de ressarcimento do valor do ICMS ao Estado de São Paulo. Vale dizer, o comerciante substituído primeiro arca com o ônus do imposto e posteriormente se ressarce do valor pago.
 
Com o objetivo de diminuir os valores de ressarcimento do ICMS retido por substituição tributária nestas operações e também evitar prejuízos à livre concorrência foi criado um regime especial para atribuição da condição de sujeito passivo por substituição tributária a qualquer contribuinte paulista que requeira e tenha o pedido deferido pelo Diretor Executivo da Administração Tributária.
 
Pelo novo regime especial, a aplicação da sistemática da substituição tributária será deslocada e somente será aplicada a partir do contribuinte que tiver o regime especial concedido. Vale dizer, a mercadoria sairá da indústria ou do importador, ou de outro substituto tributário pelo regime normal de tributação e ao chegar no comerciante que teve o regime especial deferido terá início o regime da substituição tributária.
 
Assim, quando o comerciante detentor do regime especial adquirir mercadoria de contribuinte substituto tributário (tal como indústria ou importador) este último fica desobrigado da retenção e recolhimento do imposto incidente sobre as operações subseqüentes, ficando a referida saída subordinada ao regime comum de tributação.
 
Para quem se interessar, segue link de acesso à íntegra da Portaria CAT 53/2013, que regulamenta o regime especial e dá orientações quanto os créditos das mercadorias existentes no estoque anterior à data de início do regime especial e procedimentos de controle de estoques.
 
Por Amal Nasrallah
31/05/13 – Fonte: Tributário nos Bastidores