Ainda existe espaço para mais fusões no setor de varejo, diz pesquisa - SISPRO
4145
post-template-default,single,single-post,postid-4145,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-6.9.0,vc_responsive,elementor-default,elementor-kit-23911
 
Blog

Ainda existe espaço para mais fusões no setor de varejo, diz pesquisa

O Instituto Brasileiro de Executivos do Varejo e Mercado de Consumo (Ibevar) divulgou uma pesquisa analisando as 120 maiores varejistas do país e as possibilidades de negócios para o fim de 2014 e começo de 2015. Segundo o estudo, as fusões ainda estão em pauta.

De acordo com o ranking, divulgado nesta semana, o que sustenta novas transações é a diferença de porte e de faturamento entre as empresas que atuam no setor, por exemplo, o faturamento do Grupo Pão de Açúcar, primeiro colocado da lista, foi de R$ 64,4 bilhões, montante quase nove vezes maior que o da Makro, que ficou na 9ª posição, faturando R$ 7,4 bilhões.  “Isso mostra que há espaço para a formação de outros grandes grupos”, afirma o Ibevar, em comunicado.

Juntas, as 120 empresas faturaram R$ 379,3 bilhões no último ano, metade desse valor está concentrada nas dez primeiras colocadas, um indício da pulverização e das oportunidades de fusão do setor é dado pela redução no ritmo de concentração de faturamento. Outro indicio é que cresceu o número de varejistas que rompeu a barreira de R$ 1 bilhão de faturamento, em 2013, foram 82 grupos que bateram essa marca.

O estudo destaca, ainda, que apenas sete grupos, entre os 120, operam uma rede de mais de 1 mil lojas. No quesito geográfico, somente nove grupos contam com unidades em todos os estados, mostrando a pulverização do varejo pelo Brasil.

Porém, o estudo também avaliou que o consumo no país não deve crescer muito. Segundo o presidente do conselho da entidade, Claudio Felisoni de Angelo, em pronunciamento, considerou que “renda real e crédito apontam sinais negativos para os próximos períodos e fazem com que não haja espaço para as vendas crescerem”.

Para 2015, diz Felisoni, o cenário mais otimista indica expansão real de 2,2% nas vendas, mas uma possível deterioração no cenário de renda e de crédito pode reduzir essa taxa, acredita o presidente. Uma alta na inflação também pode influenciar o cenário e diminuir a taxa, concluiu. 

Confira as dez maiores varejistas do Brasil, com base no faturamento de 2013:

1º – Pão de Açúcar: R$ 64,4 bilhões

2º – Carrefour: R$ 34,01 bilhões

3º – Walmart: R$ 28,5 bilhões

4º – Lojas Americanas: R$ 15,4 bilhões

5º – Cencosud: R$ 9,8 bilhões

6º – Magazine Luiza: R$ 9,7 bilhões

7º – Máquina de Vendas: R$ 9,1 bilhões

8º – O Boticário: R$ 8 bilhões

9º – Makro: R$ 7,4 bilhões

10º – Raia Drograsil: R$ 6,5 bilhões

Fonte: seafoodbrasil.com.br