Varejo vai ofertar 5 mil vagas temporárias | SISPRO
5719
post-template-default,single,single-post,postid-5719,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-5.7,vc_responsive
 
Blog

Varejo vai ofertar 5 mil vagas temporárias

Apesar de considerável, o número de postos é 39% menor que o ofertado em igual período de 2013

De olho no aumento do fluxo de consumidores nas lojas durante o último trimestre do ano para as compras de Natal e Ano Novo, varejistas de Fortaleza já começam a contratar trabalhadores temporários a partir do próximo dia 15. Vendedores, caixas, balconistas, promotores de vendas, empacotadores e recepcionistas de crediário estão entre as funções ofertadas pelo comércio, com destaque para os setores de roupas e calçados.

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Ceará (Fecomércio-CE) estima que sejam gerados 5 mil postos de trabalho de outubro a dezembro, puxados pela inauguração de novas lojas na Capital cearense. O número, se atingido, será 39% menor que o registrado em igual período de 2013, quando foram geradas 8.200 vagas temporárias. Destas, 4 mil (48%) foram aproveitadas pelas empresas, quantidade considerada atípica e acima da média nacional, que é 25%.

De acordo com o superintendente da Fecomércio-CE, Alex Araújo, as contratações temporárias neste ano deverão ser menores porque, de janeiro a julho, o varejo não cresceu como desejava. Ainda assim, ele destaca que o setor continua aquecido, pois 5 mil postos de trabalho é um número positivo.

“Não é que as vendas caíram no primeiro semestre de 2014 em relação ao ano passado, mas foram influenciadas pela quantidade de feriados, pelo Carnaval tardio e pela Copa do Mundo. O principal investimento do comércio é em capital de giro, cujo custo no Brasil é muito caro. Os lojistas se prepararam para um crescimento de dois dígitos, o que não ocorreu. Isso afetou o gerenciamento diário, gerando estoque de determinados produtos, por exemplo”, analisa.

Oportunidade

O economista lembra que diversas pessoas, principalmente jovens entre 18 e 24 anos, conseguem ingressar no mercado de trabalho pela primeira vez nesta época do ano, por meio do trabalho temporário.

A experiência pesa no currículo e, geralmente, ainda é responsável por garantir o primeiro emprego efetivo, com carteira de trabalho assinada.

Setores

Embora as contratações também aconteçam em supermercados, lojas de móveis, eletrodomésticos e eletroeletrônicos, boa parte das vagas é ofertada em empresas que atuam nos segmentos de roupas e calçados.

José Gentil é gerente de uma das lojas Casa Pio da Rua General Sampaio, no Centro de Fortaleza. Ele informa que, atualmente, o estabelecimento dispõe de 46 funcionários, sendo 20 vendedores. Nos últimos meses do ano, o total de vendedores dobra para atender à demanda. Isso sem levar em consideração as outras funções.

“Todos os anos, cerca de 20% dos temporários conseguem ser efetivados, mas é preciso muita agilidade, atenção e proatividade. Estamos preparados para as vendas de fim de ano, com muitas novidades para os consumidores”, adianta Gentil. Conforme ele, as contratações da empresa começarão entre o fim de novembro e o início de outubro.

Otimismo

Na Rabelo do bairro Messejana, o gerente Fábio Ferreira também está otimista, apostando em um grande faturamento com as vendas de fim de ano. Atualmente, a unidade conta com 60 colaboradores. Destes, 38 são vendedores, mas o número deverá saltar para 55 com as contratações temporárias.

“Realmente, precisamos mais de vendedor. Antecipamos nosso estoque para não faltar nada para os clientes. São muitas opções de produtos, desde móveis a eletroeletrônicos”, afirma Fábio Ferreira.

Perspectiva nacional

No Brasil, o comércio varejista deverá oferecer 138,7 mil vagas de trabalho neste fim de ano, prevê a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). O número equivale a um incremento de 0,8% frente a igual período do ano passado. No entanto, se confirmado, será o menor crescimento desde 2009.

Indústria e serviços também captam

Além do varejo, indústria e serviços também se beneficiam com o aumento do consumo nos últimos meses do ano e precisam contratar mão de obra temporária para atender à demanda. O Sistema Nacional de Empregos/Instituto de Desenvolvimento do Trabalho (Sine/IDT) no Ceará pretende captar 4 mil vagas em todo o Ceará entre setembro e dezembro.

A demanda por trabalhadores neste último quadrimestre será maior em Fortaleza, na Região Metropolitana da Capital, Cariri e Sobral, informa o diretor da Promoção do Trabalho do Sine/IDT. De acordo com o gestor, em igual período de 2013, foram captados 5.280 postos de trabalho, dos quais 72% dos candidatos conseguiram o emprego temporário. “Devemos manter essa taxa de aproveitamento, uma das melhores do País”, diz. Segundo Tenório, o setor de serviços é responsável por maior parte dos trabalhos temporários no Ceará, seguido do comércio e da indústria. Atualmente, 21% das vagas são destinadas ao público masculino, 3% ao feminino e 76% para ambos os sexos (indiferente). Os índices referentes à escolaridade são divididos da seguinte forma: 23% dos postos são voltados a trabalhadores com ensino médio completo, 37% ensino fundamental incompleto e 40% indiferente.

Perfil

“A gente percebe que, ao longo dos anos, os empresários estão flexibilizando a exigência com relação ao gênero dos funcionários. Como são empregos temporários, não há tantas exigências na escolaridade, mas isso é relativo e depende de cada setor”, explica Tenório.

Dicas

No varejo, por exemplo, as exigências são maiores, ressalta o presidente do Sine/IDT, Gilvan Mendes. Ele explica que, geralmente, são recrutadas pessoas com a mesma formação escolar e currículos semelhantes.

A postura do trabalhador no ambiente de trabalho, porém, é o que faz a diferença e pode transformar uma vaga temporária em efetiva. “É preciso ter disponibilidades para aprender, proatividade, saber trabalhar em equipe e sob pressão, considerando as metas a serem alcançadas. Além disso, é interessante ampliar os conhecimentos e conhecer o bem o produto que está vendendo. O varejo cobra mais”, reforça, lembrando que de 20% a 25% dos colaboradores temporários conseguem ser efetivados após o fim do ano.

Atualmente, compõem a lista dos sete cargos com mais ofertas de vagas temporárias: segurança de eventos, vendedores do varejo, operador de caixa, garçom, auxiliar de produção, costureira e recreador.

Como proceder

Os interessados em conseguir um emprego temporário devem se dirigir a qualquer unidade do Sine/IDT, das 8 às 17 horas, munidos de currículo, comprovante de endereço, de escolaridade, carteira de trabalho, RG e CPF. O atendimento também pode ser agendo pelo do site www.Sineidt.Org.Br. (RS)

Mais informações
As empresas que desejarem contratar por meio do Sine/IDT devem ligar para 0800-283-1333 ou encaminhar a solicitação para o e-mail vagas@idt.Org.Br.

Raone Saraiva- Repórter

Fonte: diariodonordeste.verdesmares.com.br – 10/09/14