Varejo: O Grande Transformador do PIB Brasileiro | SISPRO
5714
post-template-default,single,single-post,postid-5714,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-5.7,vc_responsive
 
Blog

Varejo: O Grande Transformador do PIB Brasileiro

Abertura do BRWeek abordou a importância de temas como a renvenção do setor, competitividade, produtividade e tecnologia para uma evolução expressiva do varejo brasileiro

Na abertura do maior evento de varejo da América Latina, o Brazilian Retail Week, o presidente do grupo Padrão e publisher da revista NOVAREJO, Roberto Meir, destacou que o setor, mais do que nunca, precisará se reinventar, para exemplificar, cita a pesquisa da Fecomércio divulgada hoje, que aponta o maior nível de pessimismo no varejo paulistano em três anos e lembrou que o momento é de reagir. “Depois de dez anos em crescimento contínuo, as perspectivas nos apontam desafios no caminho do varejo”, comentou.

No entanto, o publisher ratificou que as dificuldades não são uma novidade para o varejo brasileiro, nos últimos 20 anos o setor sofreu momentos de extrema variação econômica. “Novamente a água está subindo e o que não podemos é ficar chorando. Temos que descobrir formas de reinventar nossa maneira de gerenciar os negócios”, disse.

Outro ponto destacado foi a competitividade no varejo, tema principal da edição 2014 do BRWeek. “Temos que parar de ter vergonha de falar em tecnologia”, asseverou. Intrínseca à tecnologia, de acordo com Meir, a competitividade não se dá mais com a loja do bairro e sim com o e-commerce, com as grandes redes, com o comércio mundial.

Para ele o grande transformador do PIB brasileiro é o varejo, portanto, as medidas econômicas governamentais devem também ser focadas no setor varejista e não apenas na indústria. “Todos os custos arcados pelo varejista desembocam no ponto de venda. Os empreendedores se vêem obrigados a transmitir estes gastos ao consumidor”, expôs.

Para Walter Faria, CEO do Grupo Martins, “competitividade é estar alinhado com os valores da empresa e com os interesses do cliente”.

“Este cenário desafiador nos obriga a mudar, diversificar e exigir mais eficiência de nossas empresas. Não é possível obter resultados diferentes cometendo os mesmos erros. Já usamos em uma de nossas publicações e é a frase chave: mude ou morra”, acrescentou Meir.

Osvaldo Moscon,  diretor de Canal de vendas e Franchising na O Boticário afirma que uma das formas de conseguir isso é tornar a empresa multicanal. “Multicanalidade é um dos diferenciais para ser competitivo no varejo”.

O diretor presidente da Linx, Alberto Menache, destacou a satisfação de patrocinar o BR Week. “O grupo Padrão tem uma história relativamente recente, porém muito importante em relação à construção de um varejo unido e que ressalte a característica brasileira do segmento”, falou.

Menache observou também que a produtividade pode ser incrementada por meio da tecnologia.  “Se fala muito de omnichannel, porém se emprega muito pouco e não é só aqui no Brasil, em todo o mundo. Na 5th Avenida [Nova York] tudo funciona muito parecido como era dez anos atrás. Então é hora de inovar. Acredito que o BR Week é um embrião de algo que vai ser maior a cada ano”, concluiu.

Mais de 2,5 mil profissionais do varejo, executivos e empreendedores participarão do evento. “Estamos trabalhando para consolidarmos o BR Week como o grande ponto de encontro e referência de todo o varejo nacional”, finaliza Roberto Meir.

Fonte: brweek.com.br – 29/07/14