O varejo em queda mais acentuada que a prevista | SISPRO
5204
post-template-default,single,single-post,postid-5204,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-5.7,vc_responsive
 
Blog

O varejo em queda mais acentuada que a prevista

Foi muito fraco o comportamento do comércio varejista em julho, na avaliação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o que enfraquece a hipótese citada pelas autoridades de que a economia já esboça, neste semestre, uma reação. Entre junho e julho, o volume de vendas do varejo restrito caiu 1,1% e a receita nominal das vendas diminuiu 0,7%, enquanto as vendas do varejo ampliado (veículos, motos e peças e material de construção) cresciam apenas 0,8% e a receita nominal, 1,9%, influenciada pelas promoções de venda de veículos destinadas a reduzir os estoques do setor.

Os dados do varejo foram inferiores aos estimados pelas consultorias econômicas – mais um elemento revelador da intensidade da desaceleração das vendas, que no ano passado cresceram 11,8%.

Pelo critério de média móvel trimestral, um indicador mais confiável que atenua as variações pontuais, houve queda, de 1,2% em julho, pelo sexto mês consecutivo. Se no varejo restrito a receita nominal de vendas acumulada nos últimos 12 meses, até julho, foi positiva em 10,8%, superando a inflação, no varejo ampliado o aumento foi de apenas 6,7%, apontando para um quadro de estagnação.

A recessão começa a afetar mais intensamente as famílias, como se constata pela diminuição de 1,5% no volume de vendas de super e hipermercados, entre junho e julho. Esse indicador é ainda mais significativo que o da queda de 4,1% no item móveis e eletrodomésticos, no mesmo período de comparação.

Outro indicador, da Federação do Comércio do Estado de São Paulo, revelou que a disposição de compra das famílias paulistanas diminuiu 13,5% nos últimos oito meses. Trata-se do índice de intenção de consumo, cujo nível de 107,9 pontos (ainda positivo) é o menor da série histórica, iniciada em 2009. De 10 itens pesquisados, 3 – perspectiva de consumo, nível de consumo atual e momento para compra de duráveis – estão no campo negativo.

Recessão, juros reais em elevação, piora do mercado de trabalho e baixo nível de confiança são os fatores que mais dificultam a recuperação do varejo, antecipando um final de ano pouco animador para consumidores e lojistas. Em julho, os únicos dados positivos vieram do varejo ampliado, mas as informações mais recentes da área de veículos dão conta de que produção e vendas foram pouco satisfatórias também em agosto, comprometendo a esperança de retomada.

Fonte: economia.estadao.com.br – 15/09/14