Médias devem aproveitar IFRS para melhorar gestão | SISPRO
5007
post-template-default,single,single-post,postid-5007,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-5.7,vc_responsive
 
Blog

Médias devem aproveitar IFRS para melhorar gestão

19/10/2009 Facilitação do IASB estabelece aplicação de um planejamento para conduzir a gestão conforme as melhores práticas contábeis

SÃO PAULO – Enquanto as companhias de grande porte já estão dando os seus passos rumo à convergência contábil internacional, as pequenas e médias devem contar com simplificações no processo, conforme a anunciado pelo Internacional Accounting Standard Board (IASB).

Segundo analistas da Global/Sispro, a facilitação estabelece que os administradores e profissionais contábeis apliquem um planejamento para que possam conduzir a gestão realmente alinhada com as melhores práticas contábeis propostas pelo IASB.

O especialista em gestão de Patrimônio e Impairment da empresa, Gilberto Oliveira explica que a facilidade se dá na aplicação de pontos das normas IFRS que envolvem o reconhecimento e mensuração de ativos, passivos, receita e gastos. Diferentemente do que é exigido das grandes companhias, as revisões do IFRS serão limitadas a uma vez a cada três anos. “Isto é um importante passo para facilitar a vida dos gestores”, ressalta.

Na opinião de Oliveira, ao adotarem as novas práticas, as empresas poderão superar as dificuldades do início da adequação, pelas quais até as de grande porte passam. “As pequenas e médias companhias não possuem a mesma cultura organizacional das S.A., por exemplo. As coisas irão se ajustar a partir desta simplificação das regras”, comenta.

Já segundo o diretor de Marketing da Sispro, Lourival Vieira, é aconselhável se nortear pelas novas normas quando uma pequena ou média empresa está inserida em um setor ou cadeia de empresas, formando um “ecossistema”. “Neste caso, o procedimento trará várias vantagens futuras, tais como estar preparada para eventual abertura de capital, o que resultará na conquista de novos investidores”, afirma.

Outro ponto mencionado por Vieira é referente à melhoria do seu desempenho com os parceiros comerciais, transformando o esforço e investimento desta transição em um processo mais natural.

Fonte Financialweb