Projeto define crimes de gestão temerária e fraudulenta de instituição financeira | SISPRO
4803
post-template-default,single,single-post,postid-4803,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-5.7,vc_responsive
 
Blog

Projeto define crimes de gestão temerária e fraudulenta de instituição financeira

Camilo Cola ressalta que a falta de definição na lei sobre esses crimes dificulta a aplicação das penas.

Em análise na Câmara, o Projeto de Lei 5139/13, do deputado Camilo Cola (PMDB-ES), define os crimes de gestão fraudulenta e gestão temerária de instituição financeira.

Incorre no primeiro delito quem “utiliza-se de ardil para dissimular a natureza de um negócio ou operação financeira ou a situação contábil da instituição, com o fim de ludibriar autoridade monetária, autoridade fiscal, correntista, poupador ou investidor”.

Já como temerária é classificada a gestão caracterizada pelo risco extremamente elevado e injustificado dos negócios e das operações financeiras.

Conforme ressalta o autor, a lei que trata dos crimes contra o sistema financeiro (7.492/86) não fornece os conceitos de gestão fraudulenta e de gestão temerária. Isso, segundo afirma, “faz com que o aplicador da lei sempre recorra à doutrina para dirimir suas dúvidas e eventuais conflitos interpretativos”.

Penas

Cola considera importante definir bem as condutas proibidas, especificando como ocorre um e outro delito, “até porque a gestão fraudulenta é punida de forma mais severa do que a temerária”. Quem incorre no primeiro tipo de crime pode receber pena de reclusão de três a 12 anos e multa. Já para gestão temerária, a lei determina reclusão de dois a oito anos, além de multa.

Tramitação

A proposta será analisada pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania antes da votação pelo Plenário.

24/07/2013 – Fonte: Agência Câmara Notícias