Especialista alerta para os novos desafios do SPED | SISPRO
4701
post-template-default,single,single-post,postid-4701,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-5.7,vc_responsive
 
Blog

Especialista alerta para os novos desafios do SPED

Após o dia 30 de julho, quando termina o prazo para transmissão da DIPJ 2010 (Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica) e da Escrituração Contábil Digital (ECD), os contribuintes brasileiros se ocuparão com outras obrigações previstas no calendário fiscal e contábil.

Entre elas a escrituração fiscal das contribuições (PIS/Cofins), o Livro CIAP (Controle de Créditos de ICMS do Ativo Permanente), o e-Fopag (folha de pagamento eletrônica) e o e-Lalur. A questão é saber que ações as empresas devem adotar adotadas para atender os novos requisitos.

Na avaliação de Jorge Campos, especialista em assuntos fiscais e tributários da Aliz, um ponto fundamental é o alinhamento da cúpula das empresas. “Será que os diretores sabem qual a repercussão destes novos cenários?”, indaga.

Segundo ele, a partir de agora novas áreas das empresas serão envolvidas nesse processo, como a engenharia de produção, a auditoria, Recursos Humanos e o pessoal da folha de pagamentos. “Por essa razão, será necessário conversar com todos sobre o projeto SPED”, recomenda.

O especialista considera importante, também, conseguir o engajamento dos demais profissionais da companhia e iniciar o quanto antes o trabalho de adequação das áreas às novas e complexas mudanças que estão por vir.

“É preciso verificar como está a documentação do processo produtivo, tais como ordens de produção, apontamentos sobre as variações (custeio), perdas”, cita Campos.

Outro ponto importante diz respeito à escolha dos parceiros certos que ajudarão as empresas no processo de adequação e mapeamento necessário para atender os requerimentos exigidos pelo Fisco.

O ponto mais crítico, entretanto, é que os contribuintes têm praticamente quatro meses para dar conta de todas as etapas da nova EFD. “Quem sabe a experiência da primeira fase tenha ensinado os gestores que é necessário rapidez e que não se pode perder tempo com discussões sobre um possível adiamento pelo fisco”, observa Campos.

Fonte: TI Inside