Em tempos de IFRS, o que motiva as empresas rumo ao novo padrão? | SISPRO
4612
post-template-default,single,single-post,postid-4612,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-5.7,vc_responsive
 
Blog

Em tempos de IFRS, o que motiva as empresas rumo ao novo padrão?

Em tempos de IFRS, o que motiva as empresas rumo ao novo padrão?

Priscila Soares Falchi (*)

Não tem mais jeito. Mais de 100 países já adotam o International Financial Reporting Standards (IFRS) e as empresas brasileiras agora devem atualizar o modo de elaborar e divulgar as suas demonstrações financeiras, com base neste  padrão contábil, cujas normas foram publicadas pelo International Accounting Standards Board (IASB).

Sendo signatário destas novas normas, o Brasil tem muito que mostrar e crescer nesta área. As empresas brasileiras já estão trabalhando nisso e os órgãos reguladores estão contribuindo com a sua parte.

O que se espera a partir desta realidade é que ocorra o aumento da transparência e da confiabilidade das informações financeiras que são prestadas pelas companhias instaladas no Brasil e, desta forma, aumentar significativamente a confiança nos negócios e investimentos no país. Em casa de “Mãe Joana”, ninguém quer colocar o seu dinheiro.

Todo este ambiente criado com o novo padrão será favorável a todos os envolvidos, desde os profissionais contábeis, as empresas até os investidores. Sem falar nos órgãos governamentais responsáveis pela normatização e fiscalização das operações legais das empresas no Brasil.

A partir da apresentação ao público das demonstrações financeiras com maiores detalhes e informações, a análise será melhor e o julgamento sobre a “saúde” da empresa também será corretamente apurada.

Na área de Patrimônio onde temos atuação destacada, notamos que muitas empresas tiveram dificuldades em atender às novas normas relativas aos balanços patrimoniais, sendo que muitas não estavam acostumadas à publicação de balanços, como ocorre com as sociedades anônimas. Mesmo assim, o cenário se mostra promissor, uma vez que ninguém nasce sabendo e estas companhias acertarão o passo rumo à nova realidade.

De um modo geral, não devemos ver a adequação ao IFRS como uma obrigação apenas. Trata-se de uma excelente oportunidade para as organizações melhorarem seus processos e ampliarem a visibilidade e transparência de suas contas. Isto porque o novo padrão possibilita que uma empresa, mesmo que tenha atuação nacional, possa ter uma gestão baseada nos padrões internacionais de qualidade. Quando crescer um pouco mais ou desejar exportar ou receber investimentos externos, ela estará preparada para estes novos desafios, que, de fato, motivam as companhias neste rumo.

(*) Coordenadora de Marketing da SISPRO – Serviços e Tecnologia para Administração e Finanças.