Deu a louca nos balanços | SISPRO
4498
post-template-default,single,single-post,postid-4498,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-5.7,vc_responsive
 
Blog

Deu a louca nos balanços

Mudança nas regras contábeis brasileiras para adaptação aos padrões internacionais altera resultados das companhias abertas e confunde os investidores Por Tatiana BAUTZER

O nome pode parecer assustador, mas o investidor precisa aprender rapidamente seu significado e seus efeitos. O International Financial Reporting Standards ou IFRS, como é mais conhecido o padrão contábil internacional, passou a ser adotado pelas empresas abertas brasileiras a partir de 2010 por determinação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). As novas regras mudaram totalmente os balanços e ainda confundem os investidores. Um estudo da empresa de auditoria Ernst & Young, com resultados de 50 empresas, cujas ações formam o índice Bovespa, mostra que a adoção das novas regras ampliou seu patrimônio líquido em nada menos que R$ 33 bilhões. Os lucros cresceram cerca de R$ 9 bilhões, aumentando também a mordida do Leão.

Os números do estudo representam a soma das mudanças de todas as empresas analisadas. No entanto, os efeitos não foram uniformes. Para algumas companhias, tanto o patrimônio líquido quanto o lucro diminuíram. As diferenças são explicadas por mais de 40 novas regras que alteram desde a forma de reconhecer o impacto dos juros pagos em empréstimos até o valor atribuído a máquinas e equipamentos. Outra mudança significativa é a forma de incluir o valor das aquisições de outras empresas nas demonstrações contábeis. Uma das principais mudanças é calcular os ativos das empresas pelo seu valor justo.

Simplificando, quer dizer que, em vez de simplesmente contabilizar quanto a companhia gastou para comprar o bem, os números têm de refletir quanto ele vale no mercado ou por quanto poderia ser vendido. O maior impacto é nos dados do chamado ativo imobilizado, que inclui imóveis, máquinas e equipamentos da companhia. Empresas intensivas em capital, com grandes fábricas e muitos imóveis, percebem diferenças muito expressivas. O patrimônio líquido da Suzano Papel e Celulose, por exemplo, praticamente dobrou, de R$ 3,7 bilhões para R$ 7,2 bilhões, principalmente pelo aumento no valor dos ativos imobilizados. De acordo com a Ernst & Young, a nova norma gerou uma variação de R$ 12 bilhões no patrimônio líquido das empresas. Os lucros também passam a incluir as variações do valor de mercado dos ativos a cada trimestre.
 
Outra grande mudança ocorreu na maneira de colocar no balanço os resultados de uma aquisição. Antes, a contabilidade comparava o valor pago pela companhia comprada com seu patrimônio líquido. Hoje, o que foi pago é comparado com quanto ela pode gerar de lucro. Esse efeito, chamado de “combinação de negócios”, aumentou o patrimônio líquido das empresas da amostra em R$ 13 bilhões. Não parou por aí. Pela regra antiga, qualquer juro pago nos empréstimos era calculado como despesa. Pela nova, os juros de empréstimos tomados para construir algo que gere receita – uma fábrica ou rodovia, por exemplo – entram no ativo da empresa. O crescimento dos ativos provoca uma contrapartida patrimonial, que chegou a R$ 2,8 bilhões na amostra.