Comércio varejista paraibano registra maior crescimento do país | SISPRO
4307
post-template-default,single,single-post,postid-4307,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-5.7,vc_responsive
 
Blog

Comércio varejista paraibano registra maior crescimento do país

As vendas do comércio varejista da Paraíba se descolaram do cenário nacional e o Estado registrou a maior taxa de crescimento de junho do país, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na comparação com o mês anterior. O avanço foi de 3,9% em junho na Pesquisa Mensal do Comércio (PMC). Já o país e outros 23 Estados recuaram no mês da Copa do Mundo. (veja o quadro completo).

Além da Paraíba, somente os estados do Maranhão (1,6%), do Rio de Janeiro (0,5%), de Rondônia (0,2%) e de Roraima (0,1%) apresentaram resultados positivos em junho sobre maio. O país registrou recuo de 0,7%, o pior desde maio de 2012, quando retraiu 0,8%. Apesar do número de dias úteis terem sido reduzidos com a Copa, o mês foi considerado forte no comércio regional devido às datas comemorativas dos Namorados e das festas juninas.



Na comparação com junho do ano passado, o comércio varejista da Paraíba expandiu 7,4%, quarta maior taxa do país e o maior índice do Nordeste. Os estados do Norte como Acre (15%), Rondônia (9,9%) e Roraima (9,1%) registraram as maiores taxas, enquanto o país registrou um crescimento de apenas 0,8%. No acumulado do primeiro semestre, a Paraíba acumula alta, agora, de 4,5%, ficando acima da média nacional de 4,3%.



No comércio varejista ampliado, que inclui o varejo e as atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção, a Paraíba também mostrou crescimento de destaque nacional (4,9%), atrás apenas do Acre (5,1%), enquanto o país apresentou recuo de -3,6%.



“Durante a Copa do Mundo, houve redução dos dias úteis por conta dos feriados da Copa, e isso impactou sim nas vendas do comércio na maioria dos Estados, principalmente nas atividades de móveis e eletrodomésticos, tecidos e papelarias”, apontou Juliana Vasconcellos, gerente da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE.

 

Fonte: www.pbagora.com.br – 19/08/14