CNT/Sensus: 72,8% dizem que Obama será bom para o Brasil | SISPRO
4289
post-template-default,single,single-post,postid-4289,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-5.7,vc_responsive
 
Blog

CNT/Sensus: 72,8% dizem que Obama será bom para o Brasil

Brasília – Na esteira de esperança provocada pela eleição do democrata Barack Obama como presidente dos Estados Unidos, 72,8% acreditam que o novo governo americano será positivo para o Brasil – dados da pesquisa CNT/Sensus.

Dos entrevistados, 10,6% responderam que a gestão Obama será “indiferente” para o Brasil, ao passo que 4,1% opinaram que o governo sucessor de George W. Bush será negativo para os brasileiros.

Principal tarefa do novo governo democrata, a crise econômica mundial terá solução graças ao trabalho de Obama para 56,4% dos entrevistados, ao passo que 29,9% disseram que “talvez” ele consiga resolver ou minimizar as turbulências mundiais. Apenas 5,5% apontaram que Obama não vai resolver a crise.

Na política, 56,4% das pessoas ouvidas pela pesquisa CNT/Sensus disseram que ele vai resolver os problemas políticos específicos dos Estados Unidos; outros 25,4% opinaram que “talvez” os problemas na política sejam resolvidos; e 6,6% afirmaram que eles não serão resolvidos.

Quando questionados sobre a perspectiva do governo Obama para o mundo em geral, 76,6% dos brasileiros disseram acreditar em tempos melhores e em um cenário positivo por conta do governante democrata; 8,1% dos entrevistados se manifestaram como indiferentes às projeções da influência de Obama no mundo; e outros 4,5% consideraram que Obama será negativo para o mundo.

Entre os brasileiros ouvidos pela pesquisa CNT/Sensus, 79,8% acompanharam, ainda que em parte, a posse de Barack Obama como presidente dos Estados Unidos no último dia 20 de janeiro. Em contrapartida, 18,4% não viu pela televisão ou acompanhou por rádio a transmissão de cargo.

A pesquisa CNT/Sensus foi realizada nas cinco regiões entre os dias 26 e 30 de janeiro. A margem de erro é de três pontos percentuais.

Fonte:
Laryssa Borges, Terra
 http://www.cnt.org.br