CEO discorda de CIO sobre como gerenciar riscos | SISPRO
4263
post-template-default,single,single-post,postid-4263,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-5.7,vc_responsive
 
Blog

CEO discorda de CIO sobre como gerenciar riscos

Em tempos de crise global, muito se fala do futuro da economia e parece inútil discutir as origens do problema – afinal, o estrago está feito. Uma pesquisa inédita, concluída em setembro pelas consultorias Bearing Point e Forrester Research, aponta um caminho para que os presidentes das empresas não cometam os mesmos erros – e detonem as economias dos investidores.

Em 91% das 175 empresas globais entrevistadas, as prioridades de negócios dos CEOs prevalecem sobre as ações de gerenciamento de riscos e de segurança propostas pelos CIOs. Isso acontece mesmo que os próprios presidentes concordem que as sugestões dos diretores de tecnologia são necessárias. Conflitos de interesse entravam a implantação dessas práticas e processos de negócios.

“Os objetivos de todos são muito diferentes. A cultura das áreas, a comunicação entre eles e a percepção do negócio em relação à segurança são três fatores que determinam a preocupação diferente que eles têm sobre o tema”, diz Eduardo Raffaini, diretor gerente da Bearing Point, no Rio de Janeiro.

A burocracia organizacional prejudica o gerenciamento de risco. A pesquisa também diz que a implementação desses sistemas é dividida em vários grupos de trabalho, em vez de ter uma coordenação centralizada. Em mais de um terço das empresas, os executivos de TI respondem aos executivos de finanças, recursos humanos, assuntos jurídicos e risco. Poucas empresas têm o CRO (chief risk officer), executivo com foco na gestão de riscos.

Se o software empresarial já é algo arraigado nas empresas, a gestão do risco ainda não estava tão bem implementada. Por exemplo, sistemas de auditoria e controle, de avaliação de risco de operações financeiras e de crédito, além de sistemas de proteção da produção de dados, propriedade intelectual e documentos importantes da empresa. “A crise atual mostra que os bancos que tinham mais riscos foram mais penalizados”, diz Raffaini.

Fonte: Max Alberto Gonzales Osorio – Plantão Info