Smartmachines na tomada de decisões de negócios | SISPRO
7860
post-template-default,single,single-post,postid-7860,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-5.7,vc_responsive
 
Blog

Smartmachines na tomada de decisões de negócios

Smartmachines SISPRO Blog ERP

De acordo com o instituto de pesquisas Gartner, máquinas inteligentes ficarão cada vez mais acessíveis e sua implementação irá crescer nos próximos anos.

Dados baseados em sensores, combinados com algoritmos avançados e inteligência artificial. Essa é a receita para que máquinas inteligentes possam aprender a tomar decisões nos negócios que saíram do controle humano. Esse é o ponto de vista do instituto de pesquisas Gartner.

Segundo Stephen Prentice, vice-presidente e Partner Fellow da empresa, à medida que as máquinas começarem a desenvolver cada vez mais inteligência, elas desempenharão um papel importante na tomada de decisão de negócios e até mesmo poderão ser alternativas viáveis para substituir humanos em algumas situações.

De acordo com o Gartner, a crescente capacidade de automação e robótica levou à adoção acelerada desse tipo de tecnologia em diversos ambientes de trabalho – principalmente porque as smartmachines estão ficando cada vez mais acessíveis em termos financeiros por conta dessa crescente implementação – e isso levantou algumas questões com relação ao impacto que esse tipo de inovação causaria nos empregos existentes, especialmente em setores como o de manufatura.

Apesar da preocupação de sempre, com máquinas substituindo a força humana, Prentice ressalta que isso não é algo novo e que, ao mesmo tempo que há substituição, há também novas oportunidades, como a criação de milhares de outros postos de trabalhos.

Dentro dos próximos cinco anos, a previsão do Gartner é que máquinas pequenas irão, inevitavelmente, tomar mais decisões relativas ao crescimento dos negócios, o que também irá aumentar o medo de que elas poderão ficar “fora de controle” – o que poderia ser visto como uma ameaça pelos humanos, segundo Prentice, que ressalta que esse cenário de máquinas desenvolvendo consciência própria continua sendo apenas ficção científica.

“Mesmo com a próxima geração de máquinas que realmente ‘aprendem’ e estão aptas a adaptar suas ações para otimizar seu progresso rumo a um objetivo, os seres humanos ainda podem escolher permanecer no controle”, diz o executivo.

Sua empresa investe em máquinas inteligentes? Deixe seu comentário!

Fonte: itforum365.com.br