Como podem os CFO tirar partido dos sistemas integrados de gestão? | SISPRO
1937
post-template-default,single,single-post,postid-1937,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-5.7,vc_responsive
 
Blog

Como podem os CFO tirar partido dos sistemas integrados de gestão?

Como podem os CFO tirar partido dos sistemas integrados de gestão?

Cada vez mais se exige que os diretores financeiros (CFO) se envolvam em projetos mais abrangentes dentro das organizações, fazendo uso das suas capacidades e da sua experiência para contribuir para o crescimento estratégico. No entanto, esta exigência cria diversos desafios aos CFO, que necessitam de todas as ferramentas à sua disposição para tomarem decisões acertadas com base em elementos qualitativos e quantitativos.

Neste contexto, o investimento em soluções integradas de gestão pode fazer toda a diferença para os CFO. Muitas empresas, desde as mais pequenas até às de maior dimensão, confiam no seu ERP para obterem mais conhecimento sobre as operações e para exercerem um maior controlo sobre estas. No entanto, ainda existem muitas outras que não implementaram soluções integradas de gestão, alegando alguns receios quanto aos projetos de implementação, à formação e às condicionantes orçamentais, entre outras razões.

Muitos CFO ainda não conseguem tirar partido dos ganhos de eficiência potencial destas soluções, bem como, da fiabilidade de informação ou de benefícios em termos de redução de custos. No começo de um novo ano, os diretores financeiros deveriam considerar a forma como os seus sistemas de gestão estão a acrescentar valor à sua organização, facilitando-lhes as tarefas.

Quais são as maiores preocupações dos CFO?

Quando questionados pela Korn Ferry International, mais de metade dos CFO (51,8 %) mostraram-se apreensivos com o progresso das receitas nas suas organizações e 37,6% estavam preocupados com a necessidade de respeitarem as sucessivas alterações regulamentares. Além disso, 24,7% manifestaram preocupações relativamente ao cumprimento dos objetivos financeiros trimestrais, sendo que a mesma percentagem referiu a gestão de risco como importante. Mesmo com a recuperação da economia, os CFO certamente têm muito com que se preocupar ao tentarem gerir a área financeira das suas organizações de forma eficiente.

Consolidar dados financeiros fiáveis e usá-los de forma eficiente para obtenção de uma visão em tempo real dos principais processos de negócio proporciona um real valor para os CFO que pretendem estabelecer uma base sólida de crescimento. À medida que a recuperação se faz sentir, emergem as oportunidades de expansão numa variedade de setores, mas antes disso as empresas têm de ter tudo em ordem.

Os ERP oferecem valor, integrando dados de vários departamentos, ou de toda a organização, automatizando processos chave. Por exemplo, deixar de ser necessário processar e contabilizar manualmente encomendas e faturas, libertando assim a equipa financeira, para se poder concentrar em tarefas alternativas de valor acrescentado.

As soluções ERP fornecem uma visão unificada

Tendo um ERP à sua disposição e devidamente implementado, os CFO podem obter conhecimento em tempo real sobre o que está de facto a acontecer na área financeira e nos outros departamentos da empresa. Isto significa que é possível gerir as receitas e as despesas de forma mais eficiente, monitorizar encomendas de clientes com mais rigor e ainda controlar as existências de Stock. O diretor financeiro deverá conseguir ter uma visão exata do que entra e do que sai da empresa, onde e quando, permitindo fazer orçamentos e previsões em conformidade.

Idealmente, os CFO necessitam de aceder às informações relevantes num único local, e é neste ponto que as soluções ERP mais acrescentam valor. Os dados que estão armazenados de pouco servem, pois a tomada decisões com base em informação fiável e numa série de variáveis diferentes é fundamental.

Centralizar os dados num sistema permite ultrapassar este obstáculo, além de assegurar que todos os fatores relevantes são tidos em consideração. Estas soluções também ajudam a garantir a exatidão das informações, uma vez que é possível assinalar anomalias e erros. E quando se trata de gestão de caixa, este é um fator essencial, especialmente se o CFO for responsável por orçamentos significativos.

Mesmo os pequenos erros nos dados usados para suportar as tomadas de decisão podem revelar-se extremamente dispendiosos quando ampliados. Ao falarmos de custos empresariais, a implementação e exploração correta de um sistema integrado de gestão, permite aos CFO identificarem potenciais eficiências, possibilitando uma redução dos custos dentro da sua organização. Além disso, a integração de dados pode tornar alguns sistemas e processos supérfluos. Isto significa que já não é necessário suportá-los, o que ajuda a preservar recursos orçamentais valiosos.

A sua empresa já possui estratégias para 2016? Deixe seu comentário!

Por: Rui Nogueira

Fonte: comunidadeazul.pt

eBook: O que é e o que esperar de um ERP

/images/stories/arroba_blog_1.pngBlog SISPRO Assine Gestão Empresarial